sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Olho mágico


Uma garota de apenas 12 anos e pertencente a família de uma classe social média baixa morava em um apartamento humilde com seu pai. A sua mãe havia falecido e, apesar de viverem só os dois naquele lar, possuíam um bom relacionamento e se amavam muito.

Em um certo dia, o pai da garota teria que se ausentar por um dia inteiro em função de um compromisso de trabalho. Ele sairia de manha cedinho e só voltaria no final do dia.

Logo pela manha o pai levantou, preparou o café, chamou a filha para ir até a escola e se despediu com um beijo na testa, saindo apressadamente de casa.

A garota manteve a sua rotina diária, esperou a van na frente de casa, foi para a escola, voltou na hora do almoço, esquentando a comida que estava pronta na geladeira e passou o dia vendo TV.

Perto das 18 horas ela adormeceu, cochilando na sala. Estranhamente ela começou a sonhar com o seu pai. Ela estava de um lado da rua e ele do outro, carros passavam em uma velocidade espantosa e o tráfego era intenso. O seu pai gesticulava e falava algo para ela, mas devido ao barulho do trânsito ela não conseguia ouvir.

Ela percebeu que o pai possuía uma expressão triste em seu rosto e tentava desesperadamente falar algo para ela.... Como o som era inaudível, ela tentou ler os lábios do pai para entender o que ele falava... Parecia algo como “ Não... abra...a... porta...filha...

De supetão, a garota foi acordada de seu sonho por um barulho que, a princípio, não conseguiu distinguir...

TAM... TAM... TAM...

Parecia que alguém batia na porta com força! Sonolenta ela levantou do sofá e a campainha começou a tocar de forma insistente

A garota colocou seus chinelo e decidiu ver o que estava acontecendo, talvez fosse alguém com alguma notícia urgente.

Chegando na porta da frente, ela decidiu olhar pelo olho mágico: quem estaria fazendo tanto alarde para entrar? Estranhamente ela viu o rosto de seu pai olhando para ela; a campainha tocava, intercalada com outras batidas na porta.

- Espera pai... Ela disse. Já vou abrir a porta.

Então ela deu uma volta na chave e decidiu olhar novamente pelo olho mágico.

Algo parecia não estar bem com o seu pai. Os olhos estavam abertos com uma expressão de terror em seu rosto.

Hesitante, ela parou com a mão na chave. Faltava mais uma volta para abrir a fechadura, porém ela voltou a fechar a porta..

- Pai? O senhor esqueceu suas chaves?

Tudo o que ela ouvia era a campainha da porta.

- Pai, por favor... Me responda!

TAM... TAM... TAM... – as batidas na porta continuavam

- Há alguém ai com você, pai?

RING... RING... RING... - a campainha tocava freneticamente.

- Por que você não me responde pai?

TAM... TAM... TAM...

A campainha tocava e, por alguma razão, seu pai se mantinha calado. Assustada a menina se sentou em um canto da sala, colocou as mãos nos ouvidos e passou a chorar baixinho.

Parecia que as batidas e a campainha duraram por horas. Vencida pelo cansaço e pelo medo, ela adormeceu ali naquele mesmo lugar.

Na manha seguinte, ela acordou ainda assustada. Lentamente ela se aproximou da porta e espiou pelo olho mágico. Seu pai continuava ali, olhando para ela fixamente.

Com um impulso, tomada pela coragem, ela decidiu abrir a porta bem devagar. Aterrorizada ela foi confrontada por uma visão, vinda de seus piores pesadelos.

Preso a porta ela pode ver a cabeça de seu pai pendurada próximo ao olho mágico. Junto a ela estava um bilhete, aparentemente escrito de forma rápida e bruta, onde se lia...

“garota inteligente”

Fonte: Ghost Story

Canal do YouTube: Canal Myllas Freitas

2 comentários:

  1. Bem legal! Esse eu lembro de vc ter me contado! sinistro!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, realmente, foi a que narrei no canal do Curiomystery. :)

      Excluir