terça-feira, 25 de junho de 2019

Pokedex Sinistro #10 Drifloon


Evolução
O Driflloon  evolui para o Drifblim.

Drifloon e Drifblim são Pokémon balões com um furo, e uma fita para emendar o furo, mas será que tem algo de misterioso neles.



Duas crianças estavam brincando em uma colina e então elas começam a discutir, mas daí aparece um Drifloon, as crianças admiradas seguram nas mão do Drifloon. E então Drifloon começa a voar com as crianças até leva-las ao mundo da morte, para pagar pelas suas ofensas ditas por elas. As crianças tentam fugir, mas quando quase conseguem aparece um Drifblim e manda elas para o inferno por terem tentado fugir na hora de começar o julgamento.


Resumindo: "Estes Pokémon são chamados de 'Guias para Espíritos Errantes'. Dizem que qualquer criança que confundir Drifloon por um balão e o segurar, desaparece."


Canal do Youtube: Canal Myllas Freitas





quarta-feira, 19 de junho de 2019

Telefone dos mortos no Japão

Pode parecer bizarro, mas é real.

Testemunhas afirmam que sentiram sensações inexplicáveis enquanto estavam dentro do “telefone dos ventos”, no topo de uma colina de Otsuchi, no Japão, um local onde japoneses vão para falar com parentes mortos.

No local, mais de 50 mil visitantes já confirmaram uma experiência paranormal.

De acordo com o jornal argentino Crónica, a cabine foi erguida por um jardineiro de 69 anos que havia perdido entes queridos.

Segundo o idealizador da ideia, ao testar o telefone, ele sentiu uma profunda ligação com a família.

A partir daí, ele passou a divulgar a invenção para todo o Japão, que nos últimos anos foi atingido por desastres naturais e viu mais de 20 mil vidas serem ceifadas.

A ideia, um tanto quanto maluca, surgiu por meio da leitura de um livro, em que um coelho, uma raposa e um gato usavam uma instalação parecida para falarem com familiares mortos.

Conforme um visitante, parecia que a esposa já falecida estava com ele no local.”Senti que minha esposa estava ao meu lado”.


Além disso, ao lado do telefone há um caderno onde as pessoas podem deixar mensagens aos falecidos e que podem ser lidas por qualquer visitante.

Qual sua opinião? Seria meramente impressão das pessoas que lá vão?

Fonte: R7

Canal do YouTube: Canal Myllas Freitas

domingo, 16 de junho de 2019

Clareira no Ceará atrai ufólogos

Moradores da Fazenda Bico D'Arara, propriedade rural localizada a cerca de 10 Km da sede de Itapiúna, no Maciço de Baturité, afirmam que viram um fenômeno, em meio à vegetação, que chamou atenção. 


De acordo com Francisco Alberto Leite Barros, 59 anos, conhecido como Branco, na última quinta-feira, por volta de 23 horas, surgiu um clarão azul no céu. Ele conseguiu ver a luz, que apareceu rapidamente, em uma distância de 150 metros.

"Isso deve ter sido coisa do outro mundo, de outro planeta. Se eu não tivesse visto a bolona de fogo nós não tinha descobrido. Foi um clarão de iluminar tudo por aqui. São mais de 150 metros até a minha casa. Isso aconteceu quando eu fui fechar o portão. Eu havia acabado de chegar da reza de um terço, já perto da meia noite. Quando amanheceu foi olhar o local e fiquei surpreso. Coisa estranha assim nunca vi na minha vida. Eu fiquei impressionado”, confessou “Branco”. 

O irmão, Francisco Belchior Leite Barros, 70 anos, também diz que presenciou o mesmo fato. "Estava deitado quando ouvi o barulho de uma moto. Saí e vi aquele clarão. Pensei que fosse um relâmpago e fechei a porta. Depois saí com meu cunhado e não vi mais nada".

No dia seguinte os dois foram ao local onde teria aparecido a luz azul e se surpreenderam quando se depararam com a vegetação de pacavira - uma espécie de planta que nasce em regiões alagadas-, amassada, em uma lagoa, formando um círculo. 

 "Eu vim olhar o que era aquilo porque aqui é lagoa e não tem luz dentro da água. Aí vi esse amassado como se tivesse baixado um helicóptero. Fiquei impressionado. Na hora que vi isso fiquei morrendo de medo, todo arrepiado", diz Francisco Alberto.

A notícia se espalhou pelas redes sociais e desde então várias pessoas já foram à propriedade para ver de perto o círculo que se formou com a vegetação inclinada na água. 


Segundo a filha de Francisco Alberto, as imagens divulgadas na internet atraíram interesse de curiosos e especialistas em ufologia. Agobar Peixoto, ex- professor da UFC, pretende ir ao local na próxima segunda-feira. Outro ufólogo que também está se programando para fazer o mesmo é Robinson Alencar, morador de Quixadá.

O astrônomo Dennis Weaver, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), considera o possível fenômeno uma fraude. "Já tenho mais de 20 anos estudando astronomia e não tem como dar uma explicação meteorológica. Isso já foi comprovado ser fraude, inclusive pessoas que fizeram isso já mostraram como foi feito, usando cordas e tábuas de madeira".

Qual sua opinião?


Canal do Youtube: Canal Myllas Freitas

sábado, 15 de junho de 2019

Menina do lago


Por muito tempo a lenda da menina que aparecia chorando nos lagos assustou muitas pessoas, até que um dia ninguém mais ouviu seu choro ...

Sarah era uma menina muito tímida, morava no interior de São Paulo com sua família, sua diversão era estudar e ir as missas nos finais de semana. Por seu comportamento um tanto sério ela era o centro das gozações de 4 meninos do seu Bairro, porém isso não a abalava o que os deixava muito irritados.

Certa vez os meninos foram para um lago se divertir, quando então avistaram Sarah voltando do mercado de bicicleta, o líder do grupo de meninos, Maicon, resolveu fazer uma brincadeira um tanto "maldosa". E lá  jogaram Sarah no Lago e saíram correndo, só que como uma menina que nunca pensou em se divertir saberia nadar? E foi o que aconteceu ... Sarah se afogou. Ninguém foi pego ... sequer contaram para alguém com medo das conseqüências.

A família procurou por muito tempo até que uns pescadores acharam o corpo da menina perto do píer. A partir daquele dia os meninos foram se afastando. O tempo passou, apesar de todos terem se mudado, ninguém conseguia dormir um dia sem sonhar com Sarah. O lugar se tornou assombrado, pessoas de todos os cantos diziam ver e ouvir uma menina chorando no lago.

Maicon teve um plano para acabar com os pesadelos, resolveu juntar o "Quarteto" para pedir desculpas para Sarah, segundo Maicon, ele era o culpado por tudo de estranho que estava acontecendo, já que sabia que ela não sabia nadar, mas teve vergonha de voltar e ajudar ela. E lá foi o grupo se reunir no mesmo lugar em que tudo começou. Todos pediram desculpas e oraram. 

Maicon achou que deviam comemorar por terem se livrado da suposta "assombração" e, então, saíram para falar das novidades e beber. Na mesma noite após sairem para beber, Maicon disse que tinha que pagar uma dívida, dívida antiga e que estava na hora de pagar.

No outro dia, os rapazes souberam que Maicon havia se suicidado com um tiro na cabeça lá no dito lago. Depois disso, nunca mais tiveram pesadelos com Sarah e nunca mais houve relatos de uma menina chorando no lago.

Canal do Youtube: Canal Myllas Freitas

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Histórias verdadeiras de "amor além da vida" (Especial dos Namorados)

Olá pessoal! Hoje é dia 12 de junho, no Brasil, uma data comemorativa ao "dia dos namorados" e para celebrar essa data trago-lhes histórias verdadeiras que demonstram que o amor está presente mesmo após a morte, ou seja, histórias de "amor além da vida".


1. Esqueletos da Idade Média de mãos dadas.

Durante uma escavação no cemitério na cidade de Cluj-Napoca (Romênia), um grupo de arqueólogos encontraram dois esqueletos, um de homem e outro de mulher enterrados de mãos dadas.

Segundo o líder da equipe de arqueólogos, trata-se de uma caso estranho, quase uma relação à famosa historia de Shakespeare "Romeu e Julieta".

Todavia, contrariamente aos personagens, o casal romeno aparentemente não cometeu suicídio: o homem parece ter morrido acidentalmente já que o osso do esterno foi quebrado por um objeto não afiado.


Quanto à mulher, não foi encontrada uma explicação física para sua morte, levando a crer que ela morreu de derrame ou de ataque cardíaco ou, quem sabe, de tristeza após o falecimento de seu amado.

De acordo com informações do jornal romeno Adevarul, o casal teria vivido entre os anos de 1450 e 1550. No começo desse período, o cemitério fazia parte de um monastério dominicano, ou seja, caso o casal tivesse cometido suicídio, que seria um pecado, eles não seriam enterrados lá.

2. A morte não é barreira ao amor

Chadil Deffy, tailandês, casou-se com sua namorada Ann, sendo que o curioso nesse fato é de que ela estava morta: Ann havia falecido em decorrência de um acidente de trânsito. O casamento aconteceu, portanto, para unir suas almas na eternidade.


O casamento ocorreu na província de Surin, a noroeste da Tailândia, em uma cerimônia budista acompanhada por familiares e amigos do casal.

Chadil (28 anos) enviou o convite a todos seus amigos do Facebook e a cerimônia foi celebrada 4 (quatro) dias após o fatídico acidente. As imagens da cerimônia mostram a jovem vestida de noiva durante o casamento, enquanto que Chadil colocava o anel no dedo de Ann.


Chaddil diz: "Nosso amor foi algo muito grande, mas, por lastima, não podemos viajar ao passado e mudá-lo. A vida é curta e, hoje, realizo meu desejo e agradeço a todos que estão presentes."


Ele conclui dizendo que o seu melhor presente de casamento será ver cumprido seu desejo de reencontrar a amada em sua próxima vida.

3. De mãos dadas pela eternidade

Nem a morte foi capaz de separar o militar J.W.C van Gorcum de sua esposa J.C.P.H van Aefferden, os quais eram moradores da cidade de Roermond, na Holanda (a cerca de 180 quilômetros de Amsterdã), no século 19, e, no fim de vida passaram por um dilema: ele era protestante e ela era católica.

A diferença de religião que adotavam não os impediu de passarem 38 anos juntos; todavia, depois da morte, isso seria um empecilho: no cemitério local cada religião tinha seu espaço, ou seja, os protestantes não poderiam ser enterrados junto com católicos.



J.W.C van Gorcum faleceu em 1880 e foi sepultado perto do muro que divide o jazigo das duas religiões.

Antes de morrer, em 1888, sua esposa conseguiu um túmulo do outro lado do muro, na área católica, bem na altura em que estava seu marido.

Sua lápide foi erguida de maneira idêntica a de seu falecido marido com o topo do monumento ultrapassando a altura do paredão.


Para mostrar que nem a morte, nem a religião, poderiam separar o casal, duas mãos dadas foram colocadas entre as lápides.

Então, pessoal, espero que tenham gostado dessa coletânea de histórias que demonstram que a morte não pode ser um empecilho para o verdadeiro amor e digo o mais nunca esqueçam de dizer o quanto amam as pessoas (seja namorado(a), marido/esposa, pais, filhos, amigos) pois o amanhã é incerto e nunca sabemos por quanto tempo teremos essa pessoa ao nosso lado.


Fontes: Hypescience
             Brasil Universo Digital
             Estranho universo
             Viagem uol

Canal do Youtube: Canal Myllas Freitas